Áreas

06/02/2018 - 13:00
Nova carteira de gratuidade dá mais segurança às pessoas com deficiência

 

Dirigentes da Associação dos Deficientes do Município de Abaetetuba (Adema) estiveram, na manhã desta segunda-feira (5), na Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-PA) para reunir informações sobre o processo de emissão das novas carteiras, que vão garantir o direito à gratuidade às pessoas com deficiência e dar mais segurança ao documento. O período de emissão da carteira pela Agência está previsto para o primeiro semestre deste ano.

O diretor de controle financeiro e tarifário da Agência, José Croelhas, recebeu os membros da Adema e apresentou todos os dados acerca dos procedimentos já iniciados para emissão das carteiras. José Rodrigues, Odival Tenório e Odineia Magno, presidente, tesoureiro e conselheira da Associação, respectivamente, externaram o contentamento da entidade ao saberem do estágio avançado da parceria entre a Arcon-PA, a Secretaria de Saúde do Estado (Sespa) e a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado (Prodepa), que garantirão a realização do benefício.

"Os 1.361 associados da nossa entidade veem com enorme entusiasmo o interesse da Arcon-PA em solucionar, definitivamente, um problema crônico que entristece as pessoas com deficiência no Estado. Agora sim, de fato, com essa carteira, nós teremos resguardados os nossos direitos de ir e vir", avaliou o presidente José Rodrigues.

A conselheira Odineia Magno, por sua vez, frisou que "a sensibilidade e a decisão da atual diretoria da Agência em buscar soluções para os diversos percalços que foram surgindo e varridos, ao longo dessa caminhada, foram decisivos às boas notícias que agora chegam".

José Croelhas esclareceu que as melhorias que serão adotadas para a garantia a universalização da gratuidade no transporte intermunicipal à pessoa com deficiência, conforme estabelece a lei, "cumprem um cronograma bem afinado entre a Arcon-PA e a Sespa, a quem caberá, através de suas juntas médicas, emitir os laudos dos interessados e reunir toda documentação para envio à Prodepa, que emitirá o documento final".

"Valeu muito a pena ouvir, por quase duas horas, dois anos atrás, lá no Conselho Estadual, todos os relatos de verdadeiras atrocidades que vinham sendo cometidas por alguns operadores no trato aos deficientes, porque naquela ocasião percebemos que a causa não cabia mais nenhum tipo de adiamento ou desculpa para ser resolvida. Finalmente, essas pessoas terão a resposta que sempre mereceram", complementou Croelhas.

Vanessa Pinheiro